Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



MOGazine #6

por baixinho, em 20.10.15


Saiu hoje o sexto número da MOGazine, a revista digital da Comunidade 0937.


Neste número participei com alguns textos onde destaco um artigo que fiz sobre os conjuntos que a LEGO editou nos temas citadinos onde aborda a exploração espacial. Foi curioso descobrir algumas particularidades sobre conjuntos que até já conhecia.
Fiz também um artigo sobre o divertido Meeting que a C0937 organizou em Viana do Castelo no longiquo mês de setembro de 2008. Há que olhar sempre para a frente, mas sem esquecer o passado :)


A revista tem artigos muito interessantes, como um artigo do Alex sobre o mítico conjunto Metroliner ou um artigo sobre técnicas de construção do mestre CesBrick. Vale a pena dar uma olhada!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:20

Vício Social

por baixinho, em 19.10.15

Social Addiction


Não será bem "vício social" mas penso que todos os personagens desta construção do 74louloute estão impecáveis. E sim, penso que por de lado o Google Plus é de propósito :)


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:29

Ser AFOL

por baixinho, em 18.10.15

Used And Abused



Ontem ao pesquisar sobre o Istok no blog, tropecei neste post que fiz há mais de 6 anos. Por coincidência, também ontem numa conversa com outro AFOL, o tema era o mesmo. O que é ser AFOL.


O texto apesar de antigo, continua relativamente atual. Não fala do pessoal que olha para o hobby apenas para comprar e vender ou o pessoal que apenas "vê", seja fotos na net ou exposições. No entanto creio que intitular de AFOL este dois grupos de pessoas seria um pouco forçado.


Aborda mais a faceta do coleccionismo e, principalmente, a faceta da construção. Segue-se o texto na integra (apesar do link acima):



Quando um velho conhecido descobre que um dos meus hobbys é LEGO, a habitual pergunta é “ainda brincas com legos?!”. Além do ponto de interrogação leva também com o de exclamação para melhor transmitir a ideia de admiração que normalmente a pergunta contém.

Ignorando o erro na expressão “legos”, não, não brinco com LEGO. A menos que se considere que um jogador amador de futebol esteja a brincar com a bola num qualquer jogo da terceira divisão regional (nem sei se isso existe).

Segundo o dicionário Priberam, brincar possui estes significados:
1. Divertir-se.
2. Entreter-se com alguma coisa infantil.
3. Galhofar; gracejar.


4. Agitar maquinalmente.
5. Proceder levianamente.
6. Fig. Agitar-se (diz-se das ondas).

Destes significados interessam para o caso os dois primeiros.

Divertir-me.
Sim, divirto-me quando construo um set ou um MOC(1), quando planeio uma nova construção original, quando vejo outros MOCs, quando participo em reuniões e encontros com outros AFOLs, quando escrevo e discuto sobre LEGO, quando estou a trabalhar em prol da Comunidade AFOL, etc. Mas alguma destas actividades transmite a ideia de brincar? Parece-me que não.

E “entreter-se com alguma coisa infantil”?


Sem dúvida que as peças LEGO são no seu âmago, um brinquedo. Bem, alguns conjuntos que a LEGO lançou nos últimos anos já não são bem brinquedos, tanto pelo seu elevado preço como pelo grau de complexidade construtiva. Mas pessoalmente já deixei de olhar para as peças LEGO como um simples brinquedo que teimo em não deixar mas mais como partes integrantes de um hobby. Mais ou menos como um jogador de futebol não olha para uma bola como um brinquedo.

Continuando a utilizar o mesmo exemplo. A bola pode ser um simples brinquedo mas a sua utilização e tudo o que envolve a sua utilização pode chegar a elevados graus de complexidade. Basta pensar no mundo do futebol e o no dinheiro que está envolvido para ter uma ideia do quão sério pode ser um… brinquedo.

Se um objecto simplesmente redondo pode provocar isso tudo, porque não as peças LEGO?
Exacto, as peças LEGO por si só já possuem um certo grau de complexidade, se adicionarmos tudo o que se passa à volta delas.. então ficaremos com um hobby rico de actividades intrincadas de tal maneira que já deixam de ser propriamente uma brincadeira.

O hobby LEGO é tão complexo,  rico e dinâmico que pode tomar várias formas. Normalmente dividem a Comunidade de AFOLs em duas porções. Aqueles que coleccionam sets e aqueles que constroem MOCs. Claro que esta divisão não é completamente correcta e exclusiva visto que a maior parte dos AFOLs até fazem as duas coisas, mas para efeito de facilitar a explicação do hobby vou deixar assim.

Existem os AFOLs que coleccionam sets. Não incluo aqui a actividade redutora de comprar e acumular sets, isso qualquer pessoa pode fazer. Da mesma forma que coleccionar selos é diferente de acumular selos, coleccionar sets não se resume à compra e acumulação dos mesmos. Há todo um processo de classificação, estudo, pesquisa e busca que tornam a actividade extraordinariamente interessante. Lembro-me sempre do espanhol Rick83 e da sua pasta no BrickShelf e é também de recordar a exaustiva classificação dos primeiros sets LEGO por Gary Istok, como bons exemplos do que pode ser um coleccionador de sets LEGO. Só não me dedico mais a esta faceta do hobby porque teria que despender ainda mais dinheiro na concretização do hobby.

Mas esta faceta do hobby LEGO é exactamente aquela que se encontra no coleccionismo de outros brinquedos e outros objectos. Restringir o hobby LEGO ao coleccionismo é extremamente limitador do que o hobby pode realmente ser. O brinquedo LEGO já se distingue da maioria dos outros brinquedos pela sua capacidade de se transformar num “brinquedo novo todos os dias”(2), então o hobby também deverá  explorar essa capacidade de transformação.

Podemos então começar a falar na construção de MOCs. A concepção de um MOC em LEGO é essencialmente a razão  principal para me ter tornado AFOL. Ter uma ideia, passá-la para peças LEGO, jogar com as limitações e possibilidades das milhares de peças LEGO para conseguir compor o que pretendo sem no entanto recorrer a “batotas”, é uma das actividades de onde retiro mais prazer. É mesmo nessa actividade que o hobby mostra toda a sua riqueza, basta para isso navegar no BrickShelf e no The Brothers Brick (ou noutros sites sobre o assunto), para qualquer pessoa ficar maravilhada com o resultado daquilo que os AFOLs podem fazer com peças LEGO. São essas mesmas maravilhas que tornam o hobby LEGO único e especial.

Como em todas as actividades humanas, quando uma actividade começa a crescer, vão também prosperar outras acções paralelas que só tornam essa mesma actividade mais rica e dinâmica. Temos livros sobre técnicas de construção, temos reviews de sets, temos eventos e convenções, temos revistas, temos concursos, temos jogos, temos uma infinidade de possibilidades que tornam o hobby LEGO num dos mais dinâmicos que conheço. Para provar isso, basta fazer uma pesquisa de imagens no Google sobre um qualquer assunto (de preferência em inglês). No meio do resultados da pesquisa é normal aparecer uma qualquer construção LEGO.

Mas voltando ao significado de ser um AFOL, como é que uma pessoa sabe quando é um AFOL? Acho que quando o sentir. A própria constituição da sigla indica isso. Um Adult Fan Of LEGO é um fã, e um fã é no fundo, um admirador. E o acto de admirar é pessoal, portanto só o próprio é que o pode definir e avaliar.

Mas um admirador de quê, da empresa LEGO ou do brinquedo que ela fabrica? A ambiguidade desta sigla já levou a alguns adoptarem a designação de ALE (Adult LEGO Entusiastic). Como digo acima, coleccionar LEGO é uma faceta do hobby, mas o que torna este hobby único é mesmo a possibilidade de construir.. e isso é relativamente independente da empresa.

Quando me tornei AFOL era estudante, por isso o orçamento para o hobby era bem limitado. Todos os conjuntos que comprava (incluindo algumas raridades dos anos 80) eram invariavelmente abertos, montados e posteriormente divididos para peças. Todas as compras eram estudadas tendo em conta a maximização da utilidade das peças adquiridas. Agora tenho a sorte de ter um emprego, o que facilita a aquisição de peças e sets e que minimiza também o cuidado na escolha, podendo mesmo pensar em investir a longo prazo. Mas ter mais peças acumuladas em casa, faz de mim mais AFOL? Seria no mínimo estúpido calcular o meu amor ao hobby por uma característica externa ao mesmo, o dinheiro disponível para o hobby.

Por vezes sinto mesmo nostalgia de quando tinha poucas peças e tinha que construir um determinado MOC, com grandes limitações. O jogo de utilizar uma pequena variedade de peças era mesmo bastante desafiador. Como compreendo quando um novo AFOL chega ao hobby e sente-se extremamente limitado por falta de peças. Principalmente agora em que é inundado de bons MOCs por todos os lados, coisa que já não era tão vulgar quando comecei.

Claro que agora a facilidade de arranjar a maior parte das peças não torna a construção mais fácil.. mas sim diferente, com desafios diversos. Temos que conhecer mais peças e as formas em que elas interagem. Estamos atentos ao que se faz e das últimas correntes. Isso também torna o hobby interessante e enriquecedor.

A partilha de imagens de MOCs é outro dos pontos fortes deste hobby. Aliás, duvido que este hobby tivesse a projecção que tem se não fossem os AFOLs mostrarem o que constroem. Esta é provavelmente a maior publicidade que a própria LEGO pode ter.

Por isso ser AFOL também passa por mostrar o que se faz.

Por vezes pergunto-me porque gasto imenso tempo com actividades de divulgação deste hobby. Acho que é mesmo para dar a entender que ele não se limita a amontoar conjuntos/peças lá em casa. O interesse deste hobby vai muito além disso, basta saber procurar na Internet para nos maravilharmos!


(1)por favor, se não estão familiarizados com algumas palavras e siglas, consultem a Wiki0937 (link).
(2)Havia um spot publicitário da LEGO que continha mais ou menos esta expressão.



 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

Cofre em LEGO

por baixinho, em 18.10.15

Working LEGO Combination Safe


Este é um cofre funcional em LEGO JK Brickworks que além de ter uma porta com segredo, está feito de forma a que é impossível de forçar.. apenas conseguindo se partirmos peças.


O vídeo seguinte mostra claramente como foi construído.



O autor também fornece as instruções no seu site para quem quiser construir. Provavelmente é um projeto que irei pegar mais tarde :)


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:12

Mas isto é mesmo LEGO?

por baixinho, em 17.10.15


Mas isto é mesmo LEGO?


Claro que a primeira resposta é um sonoro "não!". Onde já se viu um brick 2x4 com os studs abertos e com aqueles estranhos "x"s na parte de baixo em vez dos reconhecidos tubos. Tubos estes que são a grande invenção da LEGO (e não os studs como habitualmente se pensa).


Mas na realidade esta é uma peça LEGO.


Claro que incomum visto que faz parte de um tema exclusivo para um determinado país, Itália. O tema, Minitalia, foi produzido no início dos anos 70 para tornear algumas leis mais complicadas do país. Parte das peças eram fabricadas na Itália utilizando um plástico diferente do ABS e com moldes de que a LEGO possuía a patente, mas por alguma razão não utilizava.


Pessoalmente já vi um ou dois conjuntos montados numa das exposições que visitei no estrangeiro. As peças apesar de respeitarem a geometria LEGO, são bem diferentes ao toque. No entanto gostei imenso de algumas delas, principalmente as janelas.


Os conjuntos que existem podem ser vistos no Brickset, a ideia para este post surgiu ao ler esta pergunta, e como é referido no último link, o guia do Gerhard R. Istok é excelente para este tipo de informações (já falei dele várias vezes aqui na LegOficina).


 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:01

WIP Lusitanis

por baixinho, em 17.10.15

LegOficina 20151016


Lusitanis é um tema conjunto criado na Comunidade 0937 onde já construi três MOCs (Damian de Gontinae, Damian's Boat e The Gathering). Durante a semana comecei uma construção para cumprir o desafio atual. É uma ideia que já tive há uns bons meses e que mal comecei a por em peças.. reparei logo que teria que ser maior do que imaginava...


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:56

Comboio do futuro

por baixinho, em 16.10.15

Future Train


Extremamente moderno este comboio do futuro construido pelo Bricksky (Tyler Sky) que, segundo o autor, acenta num chassi dos comboios LEGO de 9V.


Se na "locomotiva" não é evidente, nas carruagens já se pode entrever as rodas.


Future Train


Future Train


Projeto bem interessante para ser replicado :)




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00

Estamos em SHIPtember de 2015 (parte 6)

por baixinho, em 16.10.15

SHIPtember Ship 2



Continuamos a não estar.. mas não consigo não deixar de comentar este interessante trabalho do Michael Steindi que vi no The LEGO Car Blog. As formas curvilíneas conseguidas através do forçar das peças valem a construção.


De notar também o excelente apanhado que o pessoal do The Brothers Brick fez para este SHIPTember, fazendo vários posts temáticos:


There’s no place like Homeworld


Return to the minifig scale SHIPs of old


Best real world SHIPs


Best Unconventional SHIPs


Best Pop Culture SHIPs

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48

A eterna separação de peças

por baixinho, em 15.10.15

LegOficina 20151008


Primeiro foi arrumar os despojos do meu último MOC bem como de um set.


LegOficina 20151013


De seguida arrumar as peças que adquiri no BrickSur. Desta vez andei mais à cata de peças básicas já que com o stock a zero ou muito próximo de zero em algumas delas.


LegOficina 20151015 (1)


Por fim, parte das peças que encomendei na última LUGBulk. Aquelas tiles em dark flesh e dark orange estão mesmo a precisar de serem utilizadas num MOC que tenho em mente :)




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:07

Os caçadores de vampiros

por baixinho, em 14.10.15

The Vampire Hunters


Esta construção do Castor Troy tem 1.80 metros e é simplesmente fantástica. Demorou cerca de um ano a ser construídas e além do tamanho, a ideia é simplesmente genial.


Basicamente as nações do mundo decidiram juntar as forças contra os vampiros numa base multifacetada, vale a pena seguir o link do autor para ver os vários edifícios bem diferentes a nível arquitectónico. A própria montanha é mais rica do que aparenta ser!


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:55

Regresso de Granada

por baixinho, em 13.10.15

BrickSur 2015


Um fim-de-semana em cheio com imensas atividades (até ganhei um concurso), boas conversas, anotações de formas diferentes de organizar eventos e mais um passeio interessante pela cidade. Cansativo mas valeu a pena.


Fica para esquecer a estrada para o local de dormida.. já que detesto alturas.


 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:20

Punisher

por baixinho, em 09.10.15

D-68 Punisher


Sobejamente conhecido no mundo AFOL pelos seus aviões fantásticos, Jon Hall continua a surpreender com mais aparelhos voadores. De enaltecer também o trabalho fotográfico e os autocolantes.


Vale a pena aceder à galeria do Flickr deste autor (link acima) para ver mais trabalhos deste género.


 


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:15

Rumo a Granada

por baixinho, em 08.10.15


 Amanhã parto em companhia de mais pessoal da Comunidade 0937 em direção a Granada para participarmos na exposição LEGO BrickSur organizada por um dos LUGs espanhóis.


Participei há dois anos atrás e adorei a exposição e o ambiente. A visita guiada à cidade irá, com certeza, perdurar nas minhas memórias.


Será também uma boa oportunidade de manter a conversa em dia com alguns colegas espanhóis bem como apreciar in-loco novas construções.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:02

Astra Luminaria

por baixinho, em 07.10.15

Astra Luminaria


Esta construção de Alysa Kirkpatrick integrada no SHIPtember (de forma questionável, visto que a ideia representa mais uma estação espacial que uma nave/navio) abarca um tema que nunca vi construído em LEGO. Uma gigantesca estação espacial que envolve completamente uma estrela. Mais uma achega para ler o Ringworld do Larry Niven que já está há anos na minha lista de livros por ler.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:43

Bricks Magazine nº 4

por baixinho, em 06.10.15


Na passada sexta-feira recebi a nº 4 da revista Bricks e a nº 2 da revista Bricks Culture. Aproveitei o fim-de-semana no camping para ler a Bricks quase toda, um número muito interessante para quem gosta do tema espaço.


A nível gráfico, a revista continua a ser um deleite para os olhos de um AFOL. Boas fotografias e enquadramentos interessantes. Gosto também das várias formas como encaixam as fotografias e os textos.


Li quase todos os artigos e apesar de muita da informação não ser propriamente novidade (talvez por ler muito sobre o assunto na Internet), encontrei algumas curiosidades que desconhecia e é sempre agradável ler em papel, principalmente bem instalados numa cadeira só com verde à volta.


Como disse acima, a maior parte dos artigos são dedicados ao tema espaço e também a Star Wars. Claro que todos os artigos que li tinham algo de interessante, mas gostei especialmente dos artigos do Space Odissey e City Space, curiosamente já escrevi um artigo similar a este para o próximo nº da MOGazine. Apesar de não estar de acordo com as escolhas dos artigos Space Police III e Top Ten Alien Minifigures, achei-os bem interessantes e divertidos. A entrevista ao Mark Stafford apenas peca por já ter lido várias outras (aliás, até já o entrevistei para o Portal 0937), no entranto descobre-se sempre mais deste grande AFOL e LEGO Designer. Por fim destaco o Techniques: Space Corridores com ideias bem porreiras.


Com certeza que comprarei outros nºs da revista, só não assino porque não há €s para tudo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:22

A carruagem do cigano

por baixinho, em 06.10.15

Gypsy Wagon


Esta carruagem construída pelo Sebastian-Z capta perfeitamente os veículos tradicionais e bem ornamentados dos ciganos. Neste caso ele adicionou uma "pitada" de Halloween par compor melhor o cenário.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:26

Enigmático a dobrar

por baixinho, em 05.10.15

The Elder Scrolls Online – The Dolmen 1


Um dos primeiros MOCs que vi depois de fazer o post anterior, foi esta estranha construção do Thorsten "xenomurphy" Bonsch. Adoro as inscrições em azul (à semelhança do trabalho do Nannan) e toda atividade mística em volta do dólmen. Aliás, é mesmo isso que este MOC consegue transmitir na perfeição, magia.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

Enigmático

por baixinho, em 03.10.15

Desert Monolith


Nannan Zhang construiu este "Desert Monolith" cujo ambiente simples só aumenta o mistério à volto do monólito. Monólito construído de forma relativamente simples mas brilhante.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:14

Estamos em SHIPtember de 2015 (parte 5)

por baixinho, em 01.10.15

Já não estamos, mas a reta final foi bem produtiva na comunidade AFOL.


Thealdran Freighter


Primeiro destaco este belíssimo trabalho do Tiago Catarino. Linhas modernas e pormenores fabulosos fazem desta nave um clássico. Vale a pena ver a descrição do processo de construção bem como a apresentação completa nestes dois tópicos do Fórum 0937 (construção, apresentação).


Demon's Maw – Side (SHIPtember 2015)


O segundo destaque vai para esta agressiva nave do Josh Derksen. Acredito que tenha sido uma boa dor de cabeça conseguir colocar aquelas "garras" de forma a não estarem sempre a caírem.


SHIPyember: SS Alan Turing


Esta é a Alan Turing (boa escolha para o nome) do Shannon Sproule. Tem um aspeto mais realista e que só fica atrás do trabalho seguinte.


DSE-Intrepid


A DSE Intrepid do Nathan Proudlove que só peca porque a gravidade terrestre a entorta nas zonas mais frágeis. Claro que isto não aconteceria em gravidade zero.


Com certeza que irão aparecer mais algumas SHIPs, nem que seja porque ainda não vi todas as notificações dos últimos dias que recebi do Flickr.





Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:29

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog


subscrever feeds