Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



MOC: "... diga ao povo que fico!" [LusOlypimcs - Final]

por baixinho, em 02.11.09

"Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto, diga ao povo que fico!"



Em março de 1816, com a morte de Dona Maria I, a Louca e a elevação de seu pai a Rei de Portugal, D. Pedro recebeu o título de Príncipe Real e Herdeiro do Trono (o irmão mais velho, António Príncipe da Beira, falecera em 1801). Irrompe então a revolução constitucionalista de 1820, exigindo a restituição do Pacto Colonial e o retorno da Família Real ao reino.



D. João VI ignora-a, mas devido à pressão popular do clero, da nobreza e da burguesia portuguesa, em 1821 decide retornar à metrópole depois de cerca de treze anos no Rio de Janeiro. Em Portugal, as Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa já iniciavam a elaboração da Constituição do reino. Mas esta decisão régia foi mal recebida no Brasil.



Ao voltar à Portugal, D. João VI deixa seu filho D. Pedro I como Príncipe Regente do Brasil. Os direitos concedidos ao Brasil, entretanto, foram sendo rescindidos pelas cortes. D. Pedro I então alinha-se ao descontentamento brasileiro provocado pelas medidas portuguesas.



Preocupada com a evolução do Brasil, a elite política portuguesa pressionava as cortes que redigiam a Constituição Portuguesa a rebaixar novamente o Brasil à categoria de colónia (que tinha sido elevado à condição de Reino Unido a Portugal e Algarves). Pressionado por essas cortes, D. João VI assinou um documento que abolia o título de príncipe regente do Brasil concedido a D. Pedro I. Uma ordem judicial exigiu a volta imediata do príncipe a Portugal e foi enviada uma frota ao Rio de Janeiro, destinada a repatriá-lo.



Após ter recebido um abaixo-assinado com centenas de assinaturas (conhecido como Petição do Fico), que pedia que ele permanecesse no Brasil, o regente recusou-se a embarcar para a Europa e, em 9 de janeiro de 1822, pronunciou, em um episódio que ficou conhecido como Dia do Fico, a frase histórica: "Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto, diga ao povo que fico!", declarando também que nenhuma ordem das cortes portuguesas seria cumprida no Brasil sem a sua autorização.


 











Diz-se que essa declaração foi depois dita ao povo de uma das varandas do edifício Paço-Real, agora conhecido como Paço-Imperial.



Esta declaração dá início ao processo que findará com a independência do Brasil.




(retirado e adaptado a partir da Wikipédia)








 


Gastei parte dos primeiros dias a preparar várias ideias. Dessas ideias avancei com uma onde fiz alguns estudos, no entanto tive-a que abandonar porque me faltavam 4 peças essenciais. Pois, deveria ter comprado mesmo o Bulldozer.  Undecided

No domingo de manhã voltei a estudar novamente todas as ideias que tinha e ao avançar para o Grito do Ipiranga dei com uma passagem que falava do Dia do Fico. Pesquisei mais um pouco e descobri o Paço-Real/Paço-Imperial e decidi avançar com este edifício.

Nas pesquisas é claro que o D. Pedro utilizou uma varanda que mais tarde foi destruída. Como não encontrei nenhuma imagem dessa varanda e como ela ficava no edíficio, optei por utilizar a fachada actual.








 


Gostei deste projecto e tenho pena de não ter as peças necessárias para fazê-lo completo. Talvez invista algum dinheiro para fazê-lo para o próximo evento de Tomar Smiley








 


Mais imagens nesta pasta do Brickshelf ou da fico01.jpg até à fico11.jpg.

Página no MOCPages.


 


LBaixinho

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:35


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog


subscrever feeds